Por que algumas pessoas não ficam chapadas em sua primeira vez com a maconha?

Você se lembra da primeira vez que fumou um baseado? Para muitas pessoas, esta estreia com a cannabis é uma experiência decepcionante e nada acontece. E isso é mais comum do que imaginam. Para desmitificar o assunto, algumas teorias foram levantadas.

Para muitos, a primeira experiência com maconha foi memorável. Para outros, simplesmente nada aconteceu. Para explicar isso, várias teorias do que pode ter rolado foram levantadas e são bem interessantes. O site Green Flower convidou o Dr. Ethan Russo, médico e cientista de canabinóide, para participar da discussão. Antes, vamos começar pelos motivos óbvios:

Será que algumas pessoas simplesmente não tragam direito?

Algumas pessoas nunca tiveram uma experiência com cigarro ou algo parecido, então não sabem tragar e não é para todos que o conceito de puxar e prender a fumaça vem naturalmente. Às vezes, até mesmo para quem já fumou cigarro, fumar um beck é um pouco diferente. Com o tabaco, o ideal é dar um ‘traguinho’ de leve e rapidamente soltar a fumaça. Mas com maconha é um pouco diferente. Não é nenhum segredo que quanto maior e mais longo o trago for, o efeito bate mais forte.

Apesar dessa ser uma boa – e óbvia – explicação, pode ser mais complicado que isso. Algumas pessoas afirmam não sentir nada mesmo depois de comer os famosos space-cakes ou até mesmo depois de fumar num bong.

Por outro lado, tem aqueles sortudos que mesmo ser dar um trago direito, já ficam super chapados de primeira e amam a experiência desde o início. Já que com isso, não explicamos nada (rs), vamos para outra possibilidade.

Será que o cérebro simplesmente não reconhece que está chapado?

Isso é bem mais lógico e provável: da primeira vez, a experiência pode não ser tão familiar para o cérebro e ele simplesmente não reconhece a ‘brisa’.

Pode parecer um pouco estranho, e até mesmo ridículo, mas tem muita lógica nesse pensamento. Afinal, consciência é subjetivo – assim como a percepção de que há alteração do estado da mente também é.

Outro fato que concretiza esse pensamento é o de que o mesmo acontece com outras drogas, como LSD, cogumelos e até mesmo a cocaína. Dado que todas essas substâncias têm diferentes mecanismos de ação, é possível que o efeito seja mais psicológico do que físico.

Com isso, é possível que a maconha só comece a bater em algumas pessoas depois de algumas vezes fumando, já que o cérebro precisa se acostumar e aprender a reconhecer seus efeitos. Ainda tá confuso? Respondendo a questão, Dr. Ethan Russo vai te dar uma luz.

Ele afirma que “muitos fumantes iniciantes sentem-se confusos com os efeitos da maconha no inicio, mas depois, quando o cérebro começa a reconhecer aquele estado, passam a apreciar os efeitos dela”. Sim, então talvez o simples fato de não haver o reconhecimento da maconha de inicio seja o motivo do porquê alguns não sentem nada da primeira vez.

Mas ainda há outro fator a ser considerado. Se liga!

Talvez o cérebro simplesmente não consiga ficar “chapado” de primeira!

 Por que algumas pessoas não ficam chapadas em sua primeira vez com a maconha?Este conceito é interessante. A habilidade de ficar chapado depende da disponibilidade dos receptores de canabinóide no cérebro, que são os responsáveis por  receber e identificar o THC, o ingrediente psicoativo da maconha. Mais especificamente, o estado ‘chapado’ requer receptores CB1, que vinculam o THC e seu efeito.

São muitas as possibilidades sobre o porquê de um individuo ter falhas nos receptores CB1.  Aparentemente, a presença de compostos como medicamentos, suplementos de dieta e até mesmo outras drogas, podem diminuir a densidade dos receptores.

Existe um estudo que mostra que a densidade dos receptores CB1 é reduzida em áreas específicas do cérebro quando certos hormônios estão presentes. Neste caso, o estudo investigou o hormônio esteroide conhecido como glicocorticoide, que está presente em vários tratamentos, como o de asma, alergias e inflamações.

Apesar da possibilidade de haver algo de errado com esses tais receptores, isso é facilmente revertido após o uso contínuo da cannabis. Outro estudo tambpem mostra que os receptores CB1 tiveram um “aumento drástico” quando expostos à THC por 48 horas.

Dr. Russo afirma que “pequenas doses de THC podem dar a partida inicial no sistema endocanabinóide, que se tornará cada vez mas sensível”. Então, aparentemente, é assim que você cura a falta de brisa, processo também conhecido como “tolerância reversa”, quando o usuário de maconha torna-se mais sensível com o passar do tempo.

Então se isso acontece com você ou com alguma pessoa que você conheça, já sabe: se não bateu da primeira vez, é só insistir que uma hora bate. Para Luana, de 23 anos e leitora do Smoke Buddies, foi bem assim que aconteceu. No começo, não sentiu nada e depois, quando sentiu, ficou na bad: “No começo, fiquei bem confusa e com medo. Não entendia nada. Depois, fiquei imaginando como seria se meu pai descobrisse e bateu a maior bad. Foi horrível. Até cheguei a pensar que fosse morrer, rs”, diz.

Para outros, sortudos, foi amor à primeira vista, como é o caso da Bárbara e do Rodrigo. “Da primeira vez que fumei, foi um prensado ruim que eu nem considero e nem deu brisa. Mas logo depois, fumei um da flor mesmo e alucinei. Todos os sentimentos e sensações que eu tinha, se intensificavam”, diz Bárbara.

Para o Rodrigo, a brisa foi muito boa também “A primeira vez que eu fumei foi quando encontrei maconha nas coisas do meu primo. Peguei um pedaço escondido e levei pra casa de um parceiro, que bolou pra galera fumar. Ele bolou um beck gigante e todo mundo ficou muito chapado, todos rindo que nem idiotas. Eu me senti leve, dava risada de tudo”.