Pensei que fosse falar de café, coca cola, açúcar e álcool, responde Rita Lee a Bial sobre maconha

Cantora foi a convidada da 2ª edição do novo talk-show da Globo com Pedro Bial para falar sobre carreira, família e drogas. Condenando o álcool como a pior droga, Rita Lee revela: “Estou limpa há 11 anos”, mas “nas melhores músicas que fiz, eu estava alterada”.

Pode parecer piada, mas é sério: se Betty ‘faria’, por que Rita não defenderia? Conhecida como a rainha do rock nacional, uma Rita Lee diferente e de cabelos brancos apareceu nesta quarta-feira (03) durante o programa “Conversa com Bial”, na Rede Globo. A cantora, que deixou os palcos em 2012, foi a convidada da segunda edição do talk-show. A roqueira conversou com Bial sobre seus 69 anos de vida, sendo mais de 50 de carreira, revivendo algumas memórias que estão em sua autobiografia.

Sem papas na língua, Rita fala sobre assuntos considerados polêmicos e sobre todas as suas experiências com drogas: “Estou limpa há 11 anos, desde que minha neta nasceu. Canalizei minha energia e estou achando muito louco esse negócio de ser careta”, completa, arrancando risos da plateia.

Quando o assunto sobre drogas chega na maconha, Rita, sem problemas e com muita inteligência e ironia, argumenta com Bial e ironiza ao dizer que acreditava que seria um assunto sobre café, coca-cola, açúcar e álcool. Mais uma vez, Ritinha prova que é a rainha do Brasil!

Assista:

Pedro Bial: “Você pegou pesado, a gente estava falando das drogas. Vamos falar um pouco de cada uma: maconha que hoje é uma questão no mundo.”

Rita Lee: “Ah, você vai falar de maconha? Pensei que você fosse falar de café, coca-cola, açúcar, álcool…”

Quando questionada por Bial se o álcool é a pior de todas as drogas, Rita Lee responde que sim, “difícil de sair, está em todos os lugares. É a droga que faz mal para você e aos outros”.

Segundo a cantora, que experimentou todas as drogas, o álcool é a droga que mais atingiu sua vida, como ela relatou a Bial. Rita fala também sobre a experiência com lisérgicos e como ela fez para entrar no Brasil com uma centena de micro-pontos de LSD em um colar vindo de Londres.

Rita Lee complementa ainda: “Nas melhores músicas que fiz, eu estava alterada. As piores também.”

Longe dos Palcos, mas sempre presente

Rita Lee e caretice são palavras que parecem não caber na mesma frase. Quem nos acompanha sabe que, mesmo não curtindo mais, a rainha do rock nacional é 100% contra a criminalização da maconha e outras drogas. Fato que ficou registrado em vídeo, em 2012, quando se despediu dos palcos. Rita parou um show em Aracaju para defender uns usuários e discursou um pouco antes de ser presa.

Enfurecida com o modo da polícia tratar o público, a cantora xingou os policiais de “cachorros” e “filha da puta” e ainda pediu para a platéia: “Cadê o baseadinho para eu fumar aqui e agora?” (assista o vídeo no fim do artigo).

Rita Lee segue afastada dos palcos desde 2012.