Supositório de maconha promete acabar com dor de cólica menstrual

Não precisa ser mulher para saber que cólica menstrual é um desafio mensal que tira até as mais fortes das estribeiras. Já imaginou como seria bacana se tivéssemos uma alternativa, digamos, bem verde para ajudar com esse problema?A colunista da Folha de S.Paulo, Mariliz Pereira Jorge, resolveu testar o supositório de maconha que promete por fim a esse sofrimento. Conheça a história abaixo.

Todos os meses, sinto como se meu corpo passasse dias armando uma bomba-relógio. No dia em que ela explode na forma de um tecido vascularizado que se despedaça e transborda pelo corpo, preciso correr para cama com meu arsenal de proteção que inclui remédio para cólicas, para dor de cabeça, bolsa de água quente.

Dói tudo, o ventre, a lombar, a cabeça, revira o estômago. É uma sensação triplicada de ressaca.

Quem vive a mesma tortura sabe que a dor pode atingir níveis insuportáveis, como se o útero vivesse momentos de rebelião e objetos pontiagudos fossem lançados aleatoriamente, acertando o baixo ventre com a precisão de um míssil Tomahawk.

Eu tomaria veneno, se dissessem que a dor passaria. Supositório de maconha me pareceu bem mais divertido.

Desde que os efeitos terapêuticos da Cannabis foram comprovados no tratamento de doenças como câncer, Aids, esclerose múltipla e glaucoma, a indústria passou também a focar a pesquisa dos efeitos do THC e do CBD, princípios ativos da Cannabis, em outros problemas de saúde, em cosméticos e em produtos com foco no bem-estar, como banhos de imersão, aromatizadores –esses últimos com o propósito óbvio de deixar o usuário “numa relax, numa tranquila, numa boa”.

No que diz respeito à saúde da mulher, já há alguns produtos desenvolvidos com o uso da Cannabis para aliviar o desconforto causado no ciclo menstrual. Há desde manteiga de cacau comestível e cremes esfoliantes a sais de banho, tudo com maconha na formulação.

ALÍVIO

Na semana passada, ganhei uma caixinha de supositórios vaginais da marca Foria Relief, que prometiam acabar com as cólicas. Li um relato de que o produto demorava para fazer efeito, mas outro que dizia ter sido eficaz em 20 minutos.

O Foria Relief é vendido apenas nos Estados da Califórnia e do Colorado e foi comprado na capital do último, Denver, diretamente de uma prateleira, sem a necessidade de qualquer autorização ou indicação médica. Custa U$ 44 (cerca de R$ 140) a caixinha com quatro supositórios.

 Supositório de maconha promete acabar com dor de cólica menstrual

O supositório de maconha contra cólicas Foria Relief

Segui as instruções de deitar na cama, com o quadril elevado por um travesseiro, apliquei o supositório na vagina e fiquei olhando para o teto. Pensei em ler um livro, mexer no celular, quem sabe publicar um stories no Instagram #pepekalouca #pepekahigh #pepekaviajandona.

Antes que eu pudesse terminar de pensar na melhor hashtag, a dor começou a diminuir. Olhei no relógio e apenas cinco minutos haviam se passado.

Chequei o site novamente, na seção de perguntas e respostas. O produto é feito com manteiga de cacau, que deixa o produto meio escorregadio e faz lembrar que o pompoarismo tem realmente mil e uma utilidades.

Segundo os pesquisadores, o THC e o CBD presentes na fórmula relaxam a musculatura da região pélvica, que tem o maior número de receptores canabinoides, depois do cérebro, e aliviam a dor.

Devo estar doidona e já não sinto mais nada. Nem 10 minutos e adeus cólicas, dores na lombar, mal-estar. Será que o mundo vai girar quando me levantar, terei um acesso de riso, estou xaropona? Nada. Exatamente como diziam os depoimentos. Em comum, todo mundo satisfeito com o resultado, mas decepcionado porque o supositório vaginal é só medicinal e não dá barato na pepeka.

Funcionou para mim também, mas ainda não tem previsão de venda no Brasil.

SEM CRIVO DA FDA

Mais da metade dos Estados americanos legalizou o uso medicinal da maconha. Apenas em sete ela pode ser usada de forma recreativa, e cada um tem suas próprias leis.

Na Califórnia, é preciso de receita médica, mas, ao andar por Los Angeles, é possível ver placas com anúncios de consultas por U$ 40, o que pode garantir acesso a manipulados ou à erva. No Colorado, onde o uso recreativo também foi liberado, há uma enorme indústria de produtos à base da cannabis crescendo.

O Brasil é um dos países em que o uso medicinal só é autorizado mediante pedidos na Justiça. Em novembro, porém, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou critérios para permitir o registro, a venda e o uso de medicamentos à base de maconha.

O supositório de maconha para aliviar cólicas menstruais, lançado nos EUA, ainda não passou pelo crivo do FDA (agência que regula remédios nos EUA) pela falta de pesquisas que comprovem a sua eficácia e segurança.

Sem esse carimbo, muito médicos americanos são bastante cautelosos em indicar o produto. Os relatos das usuárias, contudo, são em sua maioria positivos.

A empresa afirma ainda que não foram observados efeitos colaterais significativos porque os compostos do supositório agem localmente, diferente do que acontece quando a maconha é inalada ou ingerida.

“O supositório usa o componente da maconha que tem efeito analgésico e cuja eficácia foi comprovada contra a dor em casos de câncer. Ginecologicamente, seria uma alternativa aos analgésicos tradicionais, que podem ter efeitos colaterais, desde que a segurança seja estabelecida em estudos clínicos”, diz Carlos Alberto Petta, presidente da Sociedade Brasileira de Endometriose.

A indicação da dosagem é variável e, segundo o site da empresa, depende da intensidade da dor.

Fumar maconha teria o mesmo efeito? Não. “A concentração dos ativos na fórmula é para efeito analgésico. Além disso, ele é absorvido diretamente na mucosa vaginal e funciona localmente”, diz Petta.

Linha do Tempo – Maconha Medicinal

Nov.2013
Após ver informações na internet sobre testes com canabidiol, um dos derivados da maconha, a família da brasileira Anny Fischer, que sofre de uma síndrome rara, decide importar dos Estados Unidos um óleo rico na substância para a criança

Mar.2014
Uma das tentativas de importação falha e o canabidiol é barrado na alfândega. A família conta sua história a um jornalista, que lança o documentário “Ilegal” sobre o caso

Abr.2014
A família de Anny consegue laudo médico da USP de Ribeirão Preto e entra na Justiça para conseguir importar o produto. O pedido é aprovado. Após o caso, Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) passa receber mais pedidos de autorização para importação de produtos à base de canabidiol

10.out.2014
Conselho Regional de Medicina de São Paulo autoriza a prescrição de canabidiol no Estado

11. dez.2014
Conselho Federal de Medicina autoriza médicos a prescreverem o canabidiol, mas somente para crianças com epilepsia e que não tenham tido sucesso em outros tratamentos

15.jan.2015
Anvisa libera uso medicinal de produtos à base de canabidiol, um dos derivados da maconha, retirando-o de uma lista de substâncias proibidas e colocando-o em uma lista de substâncias controladas

Mar.2015
Cresce volume de decisões judiciais que obrigam a União a fornecer o canabidiol a pacientes com diferentes tipos de crises convulsivas, não apenas as epiléticas

23. abr.2015
Anvisa simplifica regras para importação de produtos à base de canabidiol e cria lista de produtos que podem ter facilitado processo de autorização para importar

Ago. e set.2015
STF começa a discutir se é crime portar drogas para uso próprio. Julgamento, no entanto, foi suspenso após pedido de vistas do ministro Teori Zavascki

21.mar.2016
Após determinação judicial, Anvisa publica resolução que autoriza prescrição e importação de medicamentos com THC, um dos princípios ativos da maconha. Antes, essa substância fazia parte da lista daquelas que não poderiam ser objeto de prescrição médica e manipulação de medicamentos no país

22.nov.2016
Anvisa aprova critérios para uso de medicamento à base de maconha e abre espaço para que remédios à base da planta possam obter registro para venda no país

Nov. e dez. 2016
Três famílias, duas do RJ e uma de SP, conseguem habeas corpus que as permitem plantar e extrair óleo de maconha para uso medicinal e próprio